1140X604-4

Costuma-se dizer que a sociedade antecipa seus governos e lideranças. Os grupos que a compõem costumam demandar e, em muitos casos implementar, as mudanças que precisam em áreas menores, como nas próprias empresas, antes que as mudanças sejam ampliadas até atingirem um impacto massivo.

O conjunto de valores, regras e costumes (a cultura da organização) servem de base para uma empresa gerar valor como um todo. As empresas se configuram como um excelente campo de aprendizado para entender o que o presente exige de nós enquanto sociedade e grupo humano. Especialmente nestes tempos em que o mundo se encontra frente a frente com uma ameaça que acreditava estar erradicada para sempre.

A última edição do Global Economic Forum (WEF) antecipou um dos grandes desafios que, da esfera social, saltou para as esferas empresarial e política. Em janeiro, há poucas semanas e no quadro da sua 51ª edição, o Comissário Europeu do trabalho e direitos sociais, Nicolas Schmit, afirmou: "Vivemos um momento em que o contrato social que temos foi quebrado". Reconhecido como uma caixa de ressonância de como pensamos, o WEF tornou-se o dono da mensagem. Em uma de suas publicações finais, ele intitulou: "Por que precisamos de um novo contrato social para o século XXI?" A definição deste novo contrato social não é uma questão menor. De uma perspectiva específica, ordena a relação entre nós e o mundo do trabalho. No entanto, seu alcance vai muito além.

 

Do elo à cadeia: da empresa à sociedade

Lembremos que o contrato social costuma ser definido como: “um acordo feito dentro de um grupo e por seus membros. Faz parte da ideia de que todos concordam, por sua própria vontade, com o contrato social. Em virtude disso, admitem a existência de uma autoridade, de normas morais e de leis a que se submetem. É uma hipótese explicativa da autoridade política e da ordem social”.

O acordo que nos permitia interpretar essa relação foi quebrado nos últimos anos. Não só pela interferência de uma tecnologia de massa pelo impacto de uma pandemia, mas também por uma nova forma de valorizar o nosso presente, mais diverso, mais abrangente, mais sustentável e global. O que mais representa o fenômeno da Grande Renúncia que se espalha dos Estados Unidos para o mundo? É mais um exemplo do desejo que as pessoas têm de dar sentido ao que fazem.

A liberdade de decidir, de se comprometer, de se dedicar, de se identificar e de participar tornou-se a moeda de troca nessa busca. Qualquer modelo organizacional que deseja permanecer - independentemente de seu formato (híbrido; flexível; semana de 4 dias, entre outros) - precisa gerar um maior grau de liberdade e autogestão.

Como nunca antes, as pessoas estão exigindo estar no centro do que fazem como líderes. Porque a tecnologia mudou a forma como trabalhamos e continuará a fazê-lo. Mas também virá um maior empoderamento do indivíduo e, portanto, um grupo humano mais diversificado, como Richard Haas, diretor do think tank Council on Foreign Relations, e a diretora da London School of Economics, Minouche Shafik, também nos lembram.

Não se trata, portanto, de uma nova discussão entre autoridade ou liberdade, como parecem sugerir algumas vozes, que irradiam seu chamado para as esferas políticas e, hoje, também geopolíticas. Trata-se de aplicar o bom senso para compreender que dependemos das pessoas para que nossas sociedades gerem o melhor de si mesmas. E o mais importante: trata-se de fazê-lo de forma genuína e transparente.

A partir daí não é difícil concluir que, se a liberdade é o denominador comum que une as pessoas para o futuro, hoje não há mais espaço para o autoritarismo de outrora. Como dissemos no início desta reflexão: o que acontece na sociedade e nas empresas pressagia o que mais tarde se refletirá em áreas como a política. Isso se aplica especialmente ao estilo de liderança. Basta olhar para o que está acontecendo no mundo no momento para ver o anacronismo da liderança autoritária e a rejeição que isso provoca nas sociedades comuns. Isso vale tanto para um governante quanto para um CEO. Claramente, nosso futuro só pode ser construído em conjunto e também enfrentando desafios tão grandes quanto frear a mudança climática ou definir uma nova ordem internacional.

 

Por Alberto Bethke, Sócio Fundador da OLIVIA.